D. Manuel I e a “Brecha da Arrábida”: relato de uma conjugação marcante no património edificado nacional

António Prego, José Kullberg

Abstract


O momento mais esplendoroso da aplicação da rocha ornamental “Brecha da Arrábida” dá-se no início do séc. XVI, no denominado período Manuelino, justamente sob o reinado de D. Manuel I. Este teria particular afeição por esta rocha dado que foi utilizada em diversas obras emblemáticas do seu reinado. O Mosteiro de Jesus é disso um caso paradigmático. A Sé do Funchal, o Palácio de Santos, o Palácio da Pena e Igreja Paroquial de S. José, em Lisboa, constituem outros exemplos correlacionáveis da empatia de D. Manuel I com a brecha multicolor, que constitui, pois, um excelente georrecurso de índole histórica e cultural.


Keywords


Brecha da Arrábida, natural stone, georesource, D. Manuel I

Full Text: PDF

 

 

Hosted and maintained by Método Directo.